selvagem

28/09/2011

Meus leões são quase eu segundo definição do dicionário. Começam mamíferos, seguem sua trajetória carnívoros, dão suas primeiras piruetas felídeos. Panthera Leo. Amarelo-laranja, Bufão, Clown. Cinzento-amarelado, Dândi. Predadores imaginários a surpreender zebras e antílopes. Vivem comigo. Com um ano e meio eu perambulava por entre as grades deles. Com cinco anos cuidava deles. Aos oito os domava em público. Hoje vivo em companhia de 20 leões, minha cabeça na boca de todos eles. Selvagem.

Anúncios

28/09/2011

bustos

28/09/2011

Há uma canção africana que diz que as estepes são a guerra que se evidencia na savana por meio de festas cobertas de arbustos.

porta

28/09/2011

O mais profundo é a pele, em torno da qual o traçado segue em busca do que menos importa.

28/09/2011

28/09/2011

responsabilidades

28/09/2011

Aqui fora são as palavras piruetando pânicas, traduzindo guerras por meio de festas, catequizadas pelo drama. Lá dentro a imagem de um inocente a levar a vida como se fosse arte, alheio à égide do tempo. É como estar e não ser. Duas vezes a cada início de trajetória.

conserto

27/09/2011

Malbaratava palavras quando me dei conta de que era eu o sujeito a seduzir a coelhinha da Pedroso. São Paulo. A fumaça a pele dela. Um sonho no escuro, uma luminosidade nipônica, de risca pálida. Substância digital acabada à mão. E tudo tão sem conserto.

26/09/2011

tocha

26/09/2011

Stopmotion, cessar-stop, entretanto, aparar-noção.

Malbaratava palavras quando me dei conta de que era eu o sujeito a seduzir a coelhinha da Pedroso. São Paulo.

Me contava um amigo, o pintor de anemoscópios, que nalgum dia da semana antepassada notaram, o jardineiro e ele, que haviam na infância sido colegas de sala. Relembraram traquinadas, retornaram-se amigos e logo inventaram-se alcunhas, “José dos Jardins e João dos Pincéis” – um filme.

Coisa de que se tiram cópias [original]: um homem, heterossexual, com um piercing no umbigo.

Foi numa entrevista de mestrado: o celular chamou, “ai gente, me desculpa, é o meu despertador de tomar pílula”. Tomou a pílula e tirou o primeiro lugar.

“A consciênciazinha – eu era tão apoucada tão miúda: pequenina, que de repente cresci e nem percebi”. [Círio Tocha].